A charmosa Belém-Lisboa, que transborda história e locais incríveis

Aconchegante, charmosa e cheia de história, literalmente, já que muitos dos patrimônios arquitetônicos nacionais ficam nesta região de Lisboa à beira do Rio Tejo, onde está também a sede do governo Português e residência oficial do presidente da República (Palácio Nacional de Belém). Sem contar a autêntica fábrica dos famosos e deliciosos Pastéis de Belém (desde 1837).

Além disso, os locais mais conhecidos e, por isso, mais visitados pelos turistas, são a Torre de Belém, o Mosteiro dos Jerônimos, o Padrão dos Descobrimentos e o Museu Nacional dos Coches, mas há mais, muito mais pelas ruas e travessas desta freguesia (bairro) que compreende 7% do território e reúne 3% da população de Lisboa.

Grande pátio, cercado por paredes e com obras de arte.
Centro Cultural de Belém, em Lisboa (Portugal)

No novíssimo Centro Cultural de Belém, que toma um quarteirão inteiro ao lado da Praça do Império (quase em frente ao Mosteiro), são realizadas exposições de arte, apresentações musicais e teatrais, entre outras atividades. O estilo moderno do grandioso prédio contrasta com a arquitetura tradicional e antiga de Belém, compondo um cenário interessante e que desperta a curiosidade dos passantes.

Jardim Botânico Tropical em Belém

Jardim decorado, com pinheiros e outras espécies de árvores
Jardim Botânico Tropical, com 7 hectares, em Belém, Lisboa

Foi o que aconteceu comigo. Passeava pelo belo Jardim do Império, quando observei essa estrutura imponente e simétrica. Mais perto, vi de que se tratava e claro que entrei para dar uma espiada. Ah, e tem o Jardim Botânico Tropical da Universidade de Lisboa, no Largo dos Jerônimos (acesso pela Travessa Ferreiros a Belém), um dos locais que fogem do roteiro turístico tradicional, embora belíssimo e com ingresso bem acessível: 2 Euros.

O Jardim Botânico possui área total de 7 hectares, mas a parte aberta ao público tem 5. Por acaso, no dia em que visitamos estava ocorrendo uma exposição sobre o Brasil no Palácio dos Condes da Calheta, que fica dentro do Parque. Denominada “Como se Pronuncia Design em Português: Brasil Hoje”, sob a curadoria de Frederico Duarte, a exposição traz produtos e projetos desenvolvidos por brasileiros, de sandálias a próteses.

Grande construção e espelho d'água
Palácio dos Condes da Calheta e espelho d’água, no Jardim Botânico Tropical

A mostra também situa o visitante sobre a violência nas grandes cidades, o genocídio da população negra e periférica e a especulação imobiliária no Brasil. Criado em 1906 como Jardim Colonial, o Jardim Botânico Tropical foi denominado Monumento Nacional em 2007. Para saber mais sobre a história desse local, visite o site oficial do Jardim Botânico.

Perca-se por Belém-Lisboa!

Mulher sentada em mureta, barcos ao fundo.
Descansando à beira da Marina, ao lado do Padrão dos Descobrimentos

Aliás, o descobrimos por acaso quando entramos nessa Travessa para ver de perto uma obra com azulejos típicos portugueses. Por isso mesmo, como dizem por cá, vale a pena “perder-se” (caminhar sem rumo) pelas ruas e travessas de Lisboa! Há também o Museu da Presidência da República, que não foi possível visitar durante essa nossa estada em Belém, infelizmente.

Outro local em Belém que deve ser interessante visitar é o Museu dos Coches. Já a Torre de Belém e o Padrão dos Descobrimentos, desta vez optamos apenas pela observação externa, que, para além das selfies de praxe, permite examinar detalhes incríveis, como os tripulantes do navio (Padrão dos Descobrimentos): suas expressões, vestes e objetos que carregam dizem muito sobre a história dos descobrimentos.

Igreja Santa Maria de Belém

Igreja Santa Maria de Belém
Interior da Igreja Santa Maria de Belém, em Belém, Lisboa

No Mosteiro, visitamos a Sacristia e a Igreja Santa Maria de Belém, em Lisboa, onde estão os túmulos do navegador Vasco da Gama e do poeta Luís Vaz de Camões. Independente de religião, vale a visita pela beleza da arquitetura, arte e história que podem ser observadas em estruturas e objetos seculares. O blog Ligado em Viagem mostra outros espaços do Mosteiro dos Jerônimos e mais dicas de Belém, que você pode gostar.  

O Jardim do Império (em frente ao Mosteiro) é muito bonito, tanto durante o dia como à noite, quando costuma funcionar uma grande fonte: belo espetáculo de luz, cores e formas! A Rua Belém e a Da Junqueira concentram a maioria de restaurantes, bancos e lojas e por onde passam autocarros (ônibus), elétricos (bondinhos) e os elétricos articulados (grandes ônibus elétricos).

“Há de haver Metro” em Belém- Lisboa

Visão noturna de praça, com fonte de água luminosa.
Fonte luminosa no Jardim do Império, em Belém (Lisboa) 

Não há linha de metro (Metrô) em Belém, o que é reivindicado pela população local. Soube disso por meio de cartazes espalhados pelas ruas com a seguinte frase “Aqui há de haver Metro!”, mas há uma estação de comboio (trem), que, para um lado liga o bairro ao Centro e outras regiões de Lisboa próximas do Rio Tejo e, para outro, a vilas litorâneas como Estoril, Cascais e Sintra.

Bem pertinho, embora já no bairro vizinho de Ajuda, há o Palácio Nacional da Ajuda, onde viveu a família real portuguesa. Um belo patrimônio que está sendo recuperado. Funciona como museu, com ambientes e acervo originais riquíssimos, mas isso vale outro post.. aguarde!


Apoie o Embarque40Mais, comentando o post, compartilhando com amigos e seguindo nossos perfis nas redes sociais. Se pretende viajar em breve, confira nossas Dicas de serviços para planejar sua viagem com segurança e economia! 


Confira mais fotos nossas de Belém:

Referência:

Com informações da Câmara Municipal de Lisboa, disponíveis no site oficial em Outubro/2017.

  • midacosta
  • Autora do embarque40mais.com. Uma jornalista do interior de São Paulo-BR, que adora conhecer lugares, culturas e contar boas histórias.

2 Comments

  • Belém é realmente uma das áreas mais charmosas de Lisboa, tem um clima diferente e mais calmo, adoro! sem falar nos pastéis de nata, claro hehehehe

    • Verdade, Gabi! Foi muito interessante passar uma semana em Belém- Lisboa depois três semanas no Parque das Nações, que é totalmente o oposto, uma região toda modernosa.. rs. Nossa, nem fale, comia todo dia esses benditos doces!

3 Pingbacks

Adoraríamos saber sua opinião!

%d blogueiros gostam disto: