Ícone do site Embarque40Mais

Maria Fumaça Campinas: um passeio de trem pela nossa história

P_20180610_154718-2 Maria Fumaça Campinas: um passeio de trem pela nossa história

Rio Atibaia da janela da Maria Fumaça Campinas

Além de divertido, o passeio com a Maria Fumaça Campinas é uma boa oportunidade para conhecer ou relembrar um pouco da história ferroviária brasileira e da cultura de uma época que ficou para trás na virada do milênio, com a desativação do transporte de passageiros no estado de São Paulo.

O trem turístico, entre as cidades de Campinas e Jaguariúna (SP), percorre o trecho mais antigo da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro (linha-tronco), hoje com 24,5 quilômetros de extensão.

A Cia Mogiana foi fundada em 1872 para escoar a produção de café da região e chegou a ter quase 2 mil quilômetros de linhas, que serviram aos estados de São Paulo e Minas Gerais. Até a década de 1970, esta linha dava acesso a ramais ferroviários de onde partiam trens para outras regiões e estados, por isso era chamada de “tronco”.

Revivendo lembranças da janela da Maria Fumaça Campinas

Apreciando a paisagem e relembrando as viagens de trem na infância

Eu nasci em 1973, dois anos depois da criação da Fepasa (Ferrovia Paulista S/A), que fundiu todas as companhias ferroviárias paulistas, entre elas a Cia Mogiana. Então, ainda tive o privilégio de andar de trem algumas vezes, partindo da estação Central de Campinas, hoje denominada “Estação Cultura Prefeito Antônio da Costa Santos”.

Lembro de ir com minha avó Luiza para a cidade natal dela, Santo Antônio da Alegria (SP), divisa com MG. Como o trem não ia até a cidade, a gente tinha que completar a viagem de ônibus ou de carona no caminhão que levava leite das fazendas antes mesmo do sol raiar.

Nessa época eu era bem pequena, mas teve um outro passeio, quando eu já tinha uns 10 ou 12 anos, do qual me lembro nitidamente porque foi muito especial! Fui com meus primos e tio, de Campinas a São Paulo, no vagão restaurante, almoçando, observando belas paisagens e lá visitamos a Estação da Luz.

Durante nosso passeio com a Maria Fumaça Campinas, em um belo domingo de Junho, meus convidados (Cleide e Lima) e eu pudemos relembrar estas e outras viagens de trem que marcaram nossas vidas de forma muito especial.

O Passeio da Maria Fumaça Campinas

Monitor explica sobre funcionamento da Maria Fumaça, na Estação Anhumas

Além de reviver essas memórias, o passeio foi divertido e instrutivo. Pouco antes do embarque, na estação Anhumas (Campinas), integrantes da equipe explicaram sobre o funcionamento da locomotiva a vapor e sua importância histórica. Eles colocam fogo nas caldeiras, literalmente!

As crianças têm lugar reservado bem à frente. Uma das curiosidades é a necessidade de jogar areia nos trilhos para garantir a aderência do trem. Todos à bordo, seguimos em direção à Jaguariúna ao som do apito da locomotiva e ritmados pelo delicioso chacoalhar do trem.

Passamos por outras quatro estações antes de chegar à Jaguariúna: Pedro Américo, Tanquinho, Desembargador Furtado e Carlos Gomes. Em Carlos Gomes, vimos vários vagões antigos para restauro. No caminho, monitores contam histórias e curiosidades, a exemplo do maestro que empresta o nome à Estação. Carlos Gomes nasceu em Campinas, em 1836, e foi consagrado mundialmente.

Um caminho repleto de história e cultura

Estação Carlos Gomes, que leva o nome do maestro nascido em Campinas

Entre as paisagens, o que restou de algumas fazendas, vilas antigas e o Rio Atibaia (foto destacada), principal fonte de abastecimento de água da população de Campinas. A estação Jaguariúna, de 1945, é muito bonita e bem preservada.

A “Estrela da Mogiana”, como era chamada, foi uma das mais importantes para o transporte ferroviário paulista, pois fazia a ligação com outros ramais.

Chegada à Estação Jaguariúna, a “estrela da Mogiana”

A parada em Jaguariúna é de aproximadamente trinta minutos, tempo suficiente para dar uma boa olhada em tudo. Museu ferroviário (fechado na ocasião), feira de artesanato e belos detalhes, como o tradicional relógio da estação e um jardim muito florido.

De volta ao trem, seguimos direto para Anhumas apreciando as músicas de época tocadas pelo animado Trio Maria Fumaça.

Visão interna de um dos vagões do trem, com o Trio Maria Fumaça ao fundo

Com certeza, se andou de trem nessa época, você também deve ter algumas histórias para contar. Que tal usar o espaço de comentários (no final do post) para compartilhar com a gente uma dessas lembranças? Mas antes, confira a seguir o vídeo do nosso passeio e as dicas para planejar o seu!

Vídeo do nosso passeio com a Maria Fumaça Campinas

Vídeo do passeio com a Maria Fumaça Campinas

Dicas para o seu passeio com a Maria Fumaça

Quer auxílio profissional para planejar sua próxima viagem? Pode contar com a consultoria personalizada da nossa agência, a Embarque40Mais Viagens. Desde a escolha do destino, hospedagem, passagens aéreas e passeios, até um roteiro exclusivo! (19) 988.380.781. WhatsApp. agencia@embarque40mais.com. Cadastur: 29.325.163/0001-26.

Maria Fumaça Campinas: moradores de Campinas e Jaguariúna pagam meia!

Os passeios são realizados aos sábados, domingos e feriados, partindo de Campinas e de Jaguariúna. Também é possível optar pelo percurso só de ida ou somente até Tanquinho.

O percurso completo (ida e volta Campinas-Jaguariúna) leva aproximadamente 3h30 e custa R$ 160. Meio percurso (ida e volta Campinas-Tanquinho) custa R$ 120.

Pagam meia entrada moradores de Campinas e Jaguariúna (com Cartão Cidadão ou comprovante de endereço e somente para compras nas bilheterias da estação), crianças até 12 anos e beneficiários de lei da meia entrada, como estudantes, professores, pessoas com necessidades especiais e pessoas com mais de 60 anos de idade.

Obs.: Aos domingos, no embarque das 16h30, todos pagam meia! Confira este e outros detalhes, como horários de embarque, no site da Maria Fumaça Campinas.

Referências:

Outro local em Campinas para reviver a história da cidade e região é o Museu da Imagem e do Som, com sede no Palácio dos Azulejos.

Sair da versão mobile