fbpx

Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade

Roteiro completo para visita ao Parque das Nações, em Lisboa, região mais moderna da capital portuguesa, onde fica o Oceanário. Saiba como chegar e o que fazer no Parque das Nações em um dia.

Se em outros locais, como a Baixa-Chiado, Alfama e Belém, a gente respira tradição e a história antiga da capital de Portugal, no Parque das Nações encontramos uma típica metrópole europeia deste século, moderna e cosmopolita. Ruas e avenidas largas e arborizadas, arquitetura arrojada, ampla variedade de comércio e serviços e um belo parque à beira do Rio Tejo com vista para a Ponte Vasco da Gama.

P_20171026_114846_vHDR_On-2 Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Vista do Parque das Nações, Lisboa: Oceanário, Teleférico e Ponte Vasco da Gama

A região do Parque das Nações, em Lisboa, destinada a grandes eventos, também reúne alguns pontos turísticos muito interessantes, como o Oceanário, a Estação Oriente, a Torre Vasco da Gama, o Teleférico e o Pavilhão do Conhecimento- Ciência Viva. Em minha viagem de mais de um mês a Portugal passei três semanas na região e posso afirmar que foi uma ótima escolha!

Sobre o Parque das Nações em Lisboa

P_20171025_111533_vHDR_On-2 Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Bandeiras indicam países participantes da Expo 98, evento que transformou a região do Parque das Nações, em Lisboa

A região ou Freguesia do Parque das Nações ganhou esse nome depois de revitalizada, no final dos anos 1990, para a realização de uma grande exposição mundial sobre os oceanos e a necessidade de preservá-los, a Expo 98. Até então, era grande a degradação ambiental na área, ocupada de forma desordenada por indústrias, atividades portuárias e afins.

A Expo 98 recebeu quase 10 milhões de pessoas e contou com a participação de 146 países, entre os quais o Brasil. Por isso, o nome “Parque das Nações”, alguns monumentos e o estilo arquitetônico predominante relacionados ao tema dos oceanos.

O principal deles é a Estação Oriente (também conhecida como “Gare do Oriente”), obra do arquiteto espanhol modernista Santiago Calatrava, cuja cobertura nos lembra as velas e proas de um navio e ondas do mar.

P_20171111_131928_vHDR_Auto-1024x576 Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Plataformas de embarque de trem da Estação do Oriente, no Parque das Nações

Inaugurada em 1998, a Estação Oriente é uma das mais importantes de Portugal, pois liga Lisboa a outras cidades e países da Europa.

Um dia é o tempo ideal para explorar bem a região, mas em meio período também é possível conhecer alguns dos principais pontos turísticos. Assim, compartilho minhas sugestões para uma visita de um dia ao Parque das Nações, para incluir no seu roteiro de turismo em Lisboa. A seguir.

O que fazer no Parque das Nações, Lisboa: Estação Oriente

P_20171024_172937_vHDR_On Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Uma das entradas da Estação Oriente, no Parque das Nações (Lisboa). Obra de Calatrava

Recomendo começar pela Estação Oriente. Se for até o Parque das Nações de metrô, trem ou ônibus é lá mesmo que vai descer (veja como chegar mais abaixo). Essa Estação é linda! Vale subir até as plataformas de embarque de trem para ver a estrutura em metal e vidro que cobre a estação.

Enquanto isso, o piso inferior costuma abrigar feiras e exposições. Uma vez, eu vi uma grande exposição de livros e discos, cheia de relíquias, entre muitas delas de artistas brasileiros, como Roberto Carlos e Chico Buarque. Aliás, como adoram música brasileira os portugueses! Tempo estimado para a visita: 15 a 30 minutos.

ONDE: Piso 1 – Avenida D. João II, 1990-233, Pq. das Nações, Lisboa. 

Shopping Vasco da Gama

P_20171025_131134_vHDR_On Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Escultura “O Sol Humano”, de Jorge Vieira, à frente da entrada do Shopping Vasco da Gama. Torres São Rafael e São Gabriel dos lados

Da Estação pode acessar o Shopping Vasco da Gama atravessando a avenida em frente (Dom João II) ou pelo subsolo. Não é um shopping muito grande, mas um local agradável, bem servido de lojas, cinema, supermercado. Por isso, mesmo que não queira fazer compras, talvez possa tomar um café ou outra bebida no terraço, com vista para o Tejo. Tempo estimado para a visita: 15 a 30 minutos.

ONDE: Av. Dom João II 40, Parque das Nações.

QUANDO: Aberto todos os dias, das 9h à meia noite.

Pavilhão do Conhecimento Ciência Viva

P_20171026_115559_vHDR_On Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Exterior do Pavilhão do Conhecimento- Ciência Viva, no Parque das Nações

Então, do Shopping pegue a saída para a Alameda dos Oceanos e siga à direita em direção ao Pavilhão do Conhecimento- Centro Ciência Viva. Mas, no belo caminho entre jardins, não deixe de parar para apreciar os vulcões de água: fontes em forma de cone que espirram água e provocam pequenas ondulações no lago. Passei um tempo agradável por ali, observando o ciclo da água, a vegetação e a diversidade de pessoas.

Eu fui ao Ciência Viva e achei interessante, mas considero especialmente recomendável a quem estiver com crianças ou seja amante das ciências, pois é bem didático, interativo e com temáticas infanto-juvenis. Algo que gostei muito foi lá uma exposição permanente de fotografias de cientistas portuguesas, uma forma de divulgar a importância do trabalho feminimo no segmento. Tempo estimado para a visita: 1h30.  

P_20171026_135523_vHDR_On Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Um dos “vulcões de água” do Parque das Nações, em Lisboa, Portugal

ONDE: Largo José Mariano Gago, nº 1, Parque das Nações, 1990-073- Lisboa. GPS: 38.762602,-9.095014.

QUANDO: De terça a sexta-feira, das 10h às 18h (última entrada às 17h30; 16h30 para os grupos). Fins de semana e feriados, das 11h às 19h (última entrada às 18h30). Fechado nos dias 24, 25 e 31 de Dezembro e 1 de Janeiro.

QUANTO CUSTA: 9 a 6 Euros.

MAIS INFORMAÇÕES:  (+351) 218.917.100 e no site oficial do Pavilhão do Conhecimento – Centro Ciência Viva.

Oceanário é atração imperdível no Parque das Nações em Lisboa

P_20171025_120645_vHDR_On-2 Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Oceanário de Lisboa: Mais de 500 espécies de 4 oceanos

Mas logo ao lado do Pavilhão do Conhecimento está o Oceanário de Lisboa, um aquário gigante, com nada menos que 5 milhões de litros de água salgada e mais de quinhentas espécies de quatro oceanos: Antártico, Pacífico Temperado, Índico Tropical e Atlântico Norte.

Isso explica o fato do Oceanário de Lisboa estáar entre os maiores da Europa e ter sido eleito o “Melhor Aquário do Mundo” pelo TripAdvisor em 2015 e 2017. O objetivo é gerar conhecimento e sensibilizar as pessoas sobre a necessidade de mudar comportamentos para preservar a natureza.

Eu visitei e achei incrível, principalmente por conta da disposição do aquário no prédio: quatro grandes tanques em dois pavimentos, mas que dão a impressão de serem apenas um, circundados por corredores para os visitantes.

A sensação que tive foi de estar em túneis submersos no oceano, em meio à toda a exuberância da fauna marinha. Eu demorei mais, pois tinha tempo e curiosidade de sobra, mas dá pra fazer a visita tranquilamente em 2 horas.

P_20171025_125908_vHDR_On Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
À sombra do mascote do Oceanário de Lisboa, no Parque das Nações

ONDE: Doca dos Olivais, no Parque das Nações, Lisboa.

QUANDO: Aberto das 10h às 19h (última entrada às 18h). Mas o horário de verão (a partir de 30 de março de 2019) é das 10h às 20h (última entrada às 19h). Dia 25 de dezembro, das 13h às 19h (última entrada às 18h). Dia 1 de janeiro de 2019, das 12h às 19h (última entrada às 18h).

QUANTO CUSTA: 10 a 15 Euros (exposição permanente). Crianças até 3 anos não pagam.

MAIS INFORMAÇÕES: (+351) 218.917.000, [email protected] e no site oficial do Oceanário de Lisboa.

Teleférico do Parque das Nações

P_20171023_120558_vHDR_On-2 Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Vista do Parque das Nações. Da cabine do teleférico, chegando na estação sul

Saindo do Oceanário de Lisboa, pode tomar o Teleférico na estação sul, que está logo ao lado. Com um trajeto de apenas 1230 metros, o Teleférico do Parque das Nações é considerado um meio de transporte turístico, mas acaba funcionando mais como um mirante em movimento.

Assim, a trinta metros de altura, tem-se uma boa vista da região à margem do Tejo, seus principais prédios e pontos turísticos, como o Oceanário, a Doca dos Olivais, o Pavilhão Atlântico (onde ocorrem grandes shows), o Casino de Lisboa, a Estação Oriente, a Torre Vasco da Gama e, claro, o Rio Tejo. Tempo estimado: 15 minutos.

ONDE: As cabines para a compra de ingressos, embarque e desembarque do Teleférico ficam nas duas pontas: ao lado da Torre Vasco da Gama (estação norte) e ao lado do Oceanário (estação sul).

QUANDO: Fica aberto todos os dias do ano. De 17 de março a 1 de junho, das 11h às 19h; entre 2 de junho a 9 de setembro, das 10h30 às 20h; e de 10 de setembro a 27 de outubro, das 11h às 19h. De 28 de outubro a 15 de março, das 11h às 18h. Mas tem horários especiais entre a véspera de Natal e Ano Novo.

QUANTO CUSTA: 2 a 3,95 Euros (só ida) ou 3,35 a 5,90 (ida e volta). Crianças até 6 anos não pagam.

Consulte condições e preços atualizados no site oficial do Teleférico.

Almoço com vista para o Tejo

P_20171022_153423_vHDR_On Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Alguns dos pratos que provamos no D’Bacalhau, no Parque das Nações, Lisboa

Ao descer do teleférico na estação norte, caminhe pelo Passeio das Tágides à sua esquerda, onde verá vários restaurantes com frente para o Tejo. Entre os que experimentei, recomendo o D´Bacalhau, especialista no preparo do prato mais tradicional de Portugal. Boa comida, carta de vinhos, atendimento cordial e preço justo. Tempo estimado: 1h15.

ONDE: Rua da Pimenta 45 – Zona Ribeirinha Norte, 1900-254 Parque das Nações.

O que fazer no Parque das Nações em Lisboa: pôr do Sol à beira do Rio Tejo

Pq-Tejo-Pte-Vasco-da-Gama-3 Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Árvore apoiada em toco no Parque do Tejo, no Parque das Nações, Lisboa

Então, depois de almoçar, siga pelo Passeio das Tágides no sentido contrário (em direção à Torre Vasco da Gama), passe pela estação norte do teleférico e pela Torre Vasco da Gama até chegar ao Parque do Tejo. É uma área verde à beira do Rio Tejo, no Parque das Nações, muito bem cuidada. Fica entre a Torre Vasco da Gama e um pouco adiante da Ponte Vasco da Gama, que liga Lisboa a outras cidades, como Setúbal e Almada.

A Torre Vasco da Gama é um mirante com 145 m de altura, construído para a Expo 98, mas quando estive em Lisboa estava fechada para visitação (desde 2004), infelizmente. A estrutura da ponte está sendo usada por um hotel de luxo. O Parque do Tejo tem pista para caminhada e corrida, ciclovia, pier, aparelhos para ginástica, monumentos, árvores, entre as quais muitos pinheiros, arbustos e algumas ervas aromáticas.

P_20171024_180546_vHDR_On Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Pôr do sol à beira Tejo, no Parque das Nações. Ponte Vasco da Gama fica dourada

É pouco explorado pelos turistas, mas é uma das principais áreas de lazer dos moradores locais. Além de fazer exercício, as caminhadas pelo Parque do Tejo me presentearam com pores do Sol espetaculares. Isso porque nessa época do ano (Outubro e Novembro), os últimos raios do Sol (que se põe do lado contrário) parecem transformar o concreto da Ponte Vasco da Gama em ouro e fundem os azuis do céu e das águas do Tejo! Uma beleza quase impossível de retratar em palavras. Tempo estimado da visita: 1 hora.


Está planejando viajar? Consulte a Embarque40Mais Viagens, agência do blog, que vai te ajudar a organizar sua viagem com segurança e economia!


O que fazer à noite no Parque das Nações

P_20171108_180138_vHDR_On Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
Festa no Pavilhão de Portugal do evento Web Summit 2017

Por fim, para quem quiser aproveitar a noite na região, há algumas opções interessantes, como o Teatro Camões (referência em apresentações de dança), o Casino de Lisboa (jogos e shows), boa variedade de restaurantes e bares. Um dos que mais gostei foi o Irish&Co.- Irish Sports Pub, um autêntico pub irlandês, com porções, cervejas especiais e, na noite em que fomos, boa música ao vivo.

ONDE: Teatro Camões (Passeio do Neptuno, próximo do Oceanário); Casino de Lisboa (Alameda dos Oceanos, 45 ); Irish&Co. (Rua da Pimenta, 57).

Como chegar ao Parque das Nações em Lisboa

De Metrô (Metro): O acesso é pela Linha Vermelha (sentido Aeroporto). Do Centro Histórico de Lisboa, tome a Linha Verde nas estações Baixa-Chiado ou Rossio (sentido Telheiras), desça na estação Alameda e pegue a Linha Vermelha até a estação Oriente.

De Trem (Comboio): O acesso é pela Linha Azambuja/ Porto, que pode tomar na estação Santa Apolônia, na Praça do Comércio/ Terreiro do Paço.

De Ônibus (Autocarro): Linha 728, que passa em frente ao Arco da Rua Augusta, na Praça do Comércio. Desembarque na Estação Oriente.


RentCars1 Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade

Se estiver pensando em alugar um carro para um roteiro especial pela região de Lisboa, pesquise as opções com a Rentcars


Onde se hospedar no Parque das Nações

P_20171022_181534_BF Parque das Nações em Lisboa: um dia na região mais moderna da cidade
No quarto em que fiquei hospedada na pousada do Parque das Nações, Lisboa

A hospedagem no Parque das Nações, em Lisboa, é especialmente indicada para quem vai à cidade participar de algum evento nos Pavilhões ou pretende partir de lá para outros destinos, mas vale para todos.

Isso porque o Parque das Nações fica a apenas trinta minutos do Centro Histórico de Lisboa e a 24 minutos do Aeroporto (ambos de metrô). Sem contar que tem a Estação Oriente, onde é possível embarcar em trens para outras regiões de Portugal e países da Europa.

No Parque das Nações, em Lisboa, fiquei hospedada na Pousada da Juventude, ao lado da estação de trem de Moscavide, mas só recomendo para quem for ficar poucos dias e não se importar com barulho. Eu tenho sono leve, então a constante agitação noturna nos corredores me incomodou algumas vezes.

Sem contar que depois de uns dias a gente começa a sentir mais as molas tortas dos colchões.. Rs. Por outro lado, a limpeza e a localização são muito boas e o custo baixo gerou uma economia considerável.

Pois é, o Parque das Nações é lindo, mas você também pode ver aqui no blog outras sugestões muito interessantes de roteiros em Lisboa.

Galeria de fotos do Parque das Nações em Lisboa

Referências

  • Texto e fotos de autoria da jornalista profissional Michele da Costa (direitos reservados).
  • A viagem de Michele a Portugal foi entre Outubro e Novembro de 2017, custeada por ela. Dos locais mencionados nas dicas, somente as entradas ao Pavilhão do Conhecimento e ao Oceanário não foram pagas, já que o acesso foi via credenciamento de imprensa. Ainda assim, como de costume, as opiniões expressadas pela autora são totalmente sinceras. 
  • Com informações dos sites oficiais do Turismo de Lisboa, da Câmara Municipal de Lisboa, da Junta de Freguesia do Parque das Nações, do Googlemaps e de locais mencionados, disponíveis em 10 e 11 de Dezembro de 2018.

17 Comments

  1. Eu leio muito sobre Lisboa pq tenho muita vontade de conhece-la, mas não lembro de ter lido sobre esse Parque, amei toda estrutura dele. Mais um para minha lista do que conhecer em Lisboa!

  2. Que saudades de Lisboa, que cidade linda! 😮 Nós adoramos muito nossa viagem em Portugal. Muita coisa boa na sua lista, vai ajudar bastante quem for se planejar.

  3. Um post super completo, estou lendo muito sobre Portugal, pois ainda não conheço e quero muito ir esse ano. Se Deus quiser vai dar certo.

  4. O Parque das Nações é lindo! Da última vez que fomos a Lisboa ficamos hospedados lá e conseguimos nos deslocar com muita facilidade! Fora a vantagem de estar pertinho do Oceanário, que é um dos principais pontos turísticos da cidade!

    • Verdade, Rafael! É uma boa mesmo ficar hospedado nessa região do Parque das Nações, né? Perto do Oceanário e muito mais! Eu andei muito por lá (uma média de 5 km por dia..rs) e pude explorar bem. Abraço!

  5. Adorei o que você falou sobre sensação de pertencimento. Acho que isso é algo que faz diferença nas viagens, né? E o Parque das Nações é realmente lindo. Deu saudade de Lisboa!

  6. Já fui ao Oceanário de Lisboa mas ainda quero voltar para essa região do Parque das Nações, que é realmente bela. Já anotei suas dicas! Obrigada por compartilhar

  7. Um relato completíssimo para conhecer uma das áreas mais legais de Lisboa, cidade que adoro e onde volto sempre que posso.
    A estação Oriente por exemplo é imperdível na minha opinião porque simboliza justamente esse lado moderno da cidade.
    Dicas notadas e até a próxima.

  8. Adorei o relato! Fez eu me sentir de volta às ruas de Lisboa. Tive essa experiência “menos turística” no Porto, quando fiquei um mês na casa de uma amiga, e foi sensacional viver um dia a dia longe dos turistas. Muito diferente mesmo. Obrigada por compartilhar suas dicas.

  9. Nada como viver boas experiências quando estamos viajando né?! Sejam elas mais ou menos turísticas, não importa muito, desde que elas nos digam algo. Suas vivências em Lisboa me pareceram simples e marcantes. Tão bom quando podemos conhecer um pouco mais um povo e suas particularidades, seu cotidiano… Estive em Lisboa apenas uma semana e fui em busca de suas velharias, então não deu tempo de chegar até a Portugal moderna e seu parque das nações, mas de tudo o que você lista das boas coisas para fazer na região o que eu acho que mais gostaria seria assistir ao por do sol no Parque do Tejo e claro, comer comida local. 🙂

Adoraríamos saber sua opinião!

© 2020 Embarque40Mais

Theme by Anders NorénUp ↑

%d blogueiros gostam disto: