Ícone do site Embarque40Mais

Passe digital é criado para viagens seguras em tempos de Covid

mala-viagem Passe digital é criado para viagens seguras em tempos de Covid

Viajante poderá gerenciar seus dados de saúde por aplicativo no celular

Um certificado digital sobre a saúde do passageiro deve contribuir para viagens mais seguras em tempos de Covid-19. Com testes pré-embarque, riscos de disseminação do novo coronavírus são limitados.

Quem viajar de avião para outro país, em breve poderá utilizar um passe digital de saúde para garantir sua entrada sem a necessidade de quarentena. Isso porque, com o passe, o visitante vai comprovar que não está infectado ou que já foi vacinado contra o novo coronavírus. Além disso, o documento digital reunirá comprovantes de outras vacinas exigidas em alguns países.

Esse passe de viagem anti Covid é uma iniciativa da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) para apoiar a reabertura segura das fronteiras, por isso recebeu o nome de IATA Travel Pass. O primeiro piloto internacional da plataforma de gerenciamento do passe está programado para o final deste ano e o lançamento para o primeiro trimestre de 2021.

Assim, o objetivo é demonstrar que o passe, combinado à exigência do teste de COVID-19, permitirá a reabertura das fronteiras sem a necessidade de quarentena. A IATA e o International Airlines Group (IAG) têm trabalhado juntos no desenvolvimento desta solução para o reinício das viagens com mais segurança em tempos de Covid.

O IATA Travel Pass é baseado nos padrões do setor e na experiência da Associação com o gerenciamento de fluxos de informação. Por isso, o Timatic da IATA, sistema usado pela maioria das companhias aéreas para gerenciar a conformidade de passaportes e vistos, será a base para o registro global e verificação dos requisitos de saúde dos passageiros.

Viagens seguras em tempos de Covid: passe pode reduzir disseminação do vírus

Passe digital e testes devem contribuir para controle sanitário entre fronteiras

A solução surge quando governos de alguns países começam a usar testes para limitar riscos de “importação” da COVID-19 com a reabertura de suas fronteiras ao turismo. Desse modo, o IATA Travel Pass permite gerenciar um fluxo seguro de informações sobre testes e vacinas entre viajantes, laboratórios, Cias aéreas e governos.

Por isso é que a IATA já está solicitando testes sistemáticos de COVID-19 de todos os viajantes internacionais e a infraestrutura para apoiar o fluxo de informações. A ideia é que os governos contribuam com a verificação de autenticidade dos testes e da identidade de quem os apresenta.

As companhias aéreas, por sua vez, deverão fornecer informações precisas aos seus passageiros sobre os requisitos de teste e verificação. Já os laboratórios, emitirão aos passageiros os certificados digitais reconhecidos pelos governos.

Passageiro terá melhor experiência de viagem em tempos de Covid

Por fim, os viajantes terão acesso a informações precisas sobre os requisitos de teste, locais de testagem ou vacinação. Além disso, saberão como transmitir com segurança estas informações às companhias aéreas e autoridades de fronteira.

Dessa forma, o passageiro poderá criar um tipo de “passaporte digital” por meio de um aplicativo de celular, o IATA Contactless Travel. Também poderá receber certificados de teste e vacinação, checar se são suficientes para o itinerário e compartilhar com companhias aéreas e autoridades. Por isso, o app ainda deverá contribuir para melhorar a experiência de viagem do passageiro em tempos de Covid.

Para viagens seguras em tempos de Covid, IATA apela a governos por exigência de testes

Resultado negativo em teste de Covid-19 para viagem segura

A IATA também está desenvolvendo um guia prático de implementação do Manual sobre Testes e Medidas de Gerenciamento de Riscos nas Fronteiras. A Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) foi quem elaborou o manual.

A ideia é que seja utilizado pelos governos para implementação dos testes obrigatórios entre fronteiras em substituição à quarentena. Segundo a IATA, esse avanço ocorreu após comentários recentes de Didier Houssin, presidente do Comitê de Emergências de Regulamentações Sanitárias Internacionais da OMS.

“O uso dos testes certamente terá agora um espaço muito maior em comparação com a quarentena, por exemplo, o que claramente facilitaria os processos, considerando todos os esforços que têm sido feitos pelas companhias aéreas e pelos aeroportos”, terá dito Houssin.

De fato, as viagens continuam essencialmente paradas, principalmente as internacionais. Por isso, a IATA pede ação rápida dos governos para colocar em prática os testes de COVID-19 no processo de viagens. “Enquanto essa situação não mudar, mais empregos correm risco, dificultando ainda mais o caminho para a recuperação”, explica.

Outra notícia relacionada é sobre algumas Cias aéreas que oferecem cobertura gratuita de atendimento médico, em caso de Covid no exterior.

Referências:

Sair da versão mobile